Buscar Espetáculos
Buscar Teatros
Informativo
Comentários
Escolas de teatro
Festivais de teatro
Quer receber informações exclusivas? Então cadastre-se aqui!

Seu nome:
Seu email:
 

Alterar cadastro

Remover cadastro
Quer conversar com alguém sobre teatro?

Digite seu nome e entre numa sala:

Você acha que uma peça pode melhorar a auto-estima do espectador?

Entre já

teatrochik / comentários


COMENTÁRIO DO ESPETÁCULO DÚVIDA
“DUVIDA”: UM INSTIGANTE E BELO TEXTO EM CATAZ NO TEATRO DO SHOPPING FREI CANECA

Dan Stulbach
O público que está comparecendo em massa no Teatro Frei Caneca, tem se manifestado de modo inusitado. Máxima atenção no início ,já que estamos participando de um sermão, para em seguida, no transcorrer da ação, torcer, rir e até aplaudir em cena aberta.

Estamos falando de “Dúvida”, texto de John Patrick Shanley. Grande sucesso nos USA, e agora, felizmente é também sucesso entre nós. A obra recebeu o prêmio Pulitzer, contemplação máxima para os textos contemporâneos. Quando Bruno Barreto, o grande e respeitado cineasta assistiu o espetáculo na Broadway, ficou encantado com a proposta e mensagem da peça, tendo nascido nesse instante, o desejo de montar a obra em nosso país.

O desejo de trocar por ora, as câmaras, responsáveis por um cinema único, pelo trabalho no palco, aumentou mais ainda quando recebeu a tradução de Beatriz Segall e Marco Guerra.

A teologia e dogmas da doutrina católica sempre forneceram obras primas para o cinema e teatro: ”Agnos Dei”, ”Diálogo das Carmelitas”, ”Sociedade dos Poetas Mortos” e outros.

“Dúvida” nos revela um tema denso e impactante. A ação transcorre em 1964 no interior de um Colégio Católico localizado no bairro do Bronx, como sabemos até há alguns atrás a região mais violenta de Nova York. Em sua obra John Patrick Shanley nos revela momentos de grande impacto desenrolados no interior do estabelecimento. Como acontece em São Paulo e em todas as partes do mundo cristão, os colégios são dirigidos por freiras, que dividem a educação, atividades sociais e esportivas com sacerdotes.

A harmonia e paz do colégio começam a mudar, a partir do momento e pela primeira vez, na história do tradicional colégio, quando um jovem negro passa a integrar a família estudantil. È que a irmã Aeloysius, diretora do colégio passa a questionar o porquê de tanta dedicação e preocupação com o jovem, por parte do padre Brensan Flynn. O religioso percebeu os problemas do jovem e seus familiares e começou tentar resolvê-los. Por que tanta dedicação ao aluno? Proteção aparentemente exagerada! Acusado pela superiora e defendido por uma noviça e até mesmo pela mãe do jovem, a situação do religioso começa a se complicar, com notável diálogo, defendido por personagens com grande perspicácia, o magnífico dramaturgo nos apresenta um texto adulto e inovador e de grande impacto, valorizado graças a direção de Bruno Barreto, e a defesa magistral do elenco.

CINEMA & PALCO

Ao assistirmos “DÚVIDA”, atual sucesso do Teatro Frei Caneca, deparamo-nos com um texto fascinante e intenso, revelando um argumento de grande profundidade.

Para complementar a beleza da obra, os personagens são coerentes e verdadeiros, e repetimos, raras vezes tão bem defendidos por um elenco.

Quanto ao agora grande diretor de teatro, é que embora esteja residindo e trabalhando nos dois países Bruno Barreto está em contato com todas as manifestações de arte e de um modo especial com o cinema e as artes cênicas.

Sua escolha pela obra “Dúvida” para estrear como diretor de teatro, está sendo mais do que bem vinda!

Habituado a presenciar o surgimento de personagens através de suas lentes, fato que ocorre há 33 anos, estreou em l973 dirigindo “Tati, a garota”. Seguiu-se “A Estrela Sobe” consagrando Betty Faria no cinema.

Dois dos maiores sucessos do cinema nacional-internacional, nasceram frente às câmaras de Bruno Barreto. Falamos de “Dona Flor e seus dois maridos” de 1976 e “Gabriela” de 1982. Foi Bruno Barreto quem transpôs para a Sétima Arte a obra de Jorge Amado e concretizou o talento e a sensualidade de Sônia Braga. Nelson Rodrigues vem sendo encenado no palco desde seus primeiros textos como “Anjo Negro” encenado por Maria Della Costa.

Bruno eternizou “Beijo no Asfalto”, com grande impacto. Desde 1989 reside nos USA e seu trabalho, intensivo por sinal, são acolhidos como merecem, um deles é “Heart of justice”, Bruno Barreto está mais do que familiarizado com a arte de representar. Respira arte e cruza com personagens. Para chegar no palco foi um passo.

Regina Braga de grandes e valiosas experiências, bastando lembrar, ”Bodas de Papel”, e “Uma Relação tão Delicada”, ou atuações na TV inúmeras vezes vivendo personagens populares, só para lembrar um pouco de sua imensa bagagem. Em “Dúvida”, vive uma personagem difícil, com psicologia enigmática, exigindo o máximo da atriz que corresponde além de nossa expectativa. Um notável retorno ao palco.

Dan Stulbach
Dan Stulbach é a maior revelação artísticas nos últimos anos, tanto no teatro como no cinema, Tv e rádio. Nosso primeiro contato com o talento do artista foi num difícil texto muito bem defendido: ”Novas Diretrizes em Tempo de Paz”, encenado inicialmente no Teatro Ágora, atuando frente a frente com o público na então pequena arena. Agora em “Dúvida”, vivendo o Padre.

Brensan Flynn, sua atuação é magistral. A começar pelo texto inicial do espetáculo, dirigindo-se ao público, no caso nós seus paroquianos. Atuação plena, valorizada pelo talento e recursos do intérprete.

Isabel Teixeira com grande rendimento como irmã James, defende a personagem com garra e verdade. Bem elaborada, sua atuação cresce junto com fascinante argumento.

Lena Roque vive uma personagem amparando-se no fio da navalha. Não pode vacilar. É a mãe do menino negro, personagem presente em nosso imaginário. É um verdadeiro Herói trágico de todas as encenações de a Tragédia Grega. Lena Roque é precisa e convincente.

Como não poderia deixar de ser, adequado os figurinos de Caia Guimarães, ao produzir vestimentas especiais para religiosos e o elegante tailler de Lena Roque.

Como vem ocorrendo em várias encenações, criativa a iluminação de Wagner Freire. Funcional a trilha sonora de Guilherme Maximiano.

“Dúvida” é mais uma excelente realização da DBA 2 ,já responsável por notáveis produções”.

Divulgação da Assessoria de Edson Paes de Mello, nesta magnífica e oportuna montagem de Alexandre Dória Ribeiro.

Eis um espetáculo obrigatório para quem gosta e aprecia um notável espetáculo teatral!

Jornalista – MS 4737
Hilton Viana

Este espetáculo já saiu de cartaz
O Pai

O marido da minha mulher
APOIOPATROCÍNIOAPOIO
homeestréiasespetáculosteatrosingressosentrevistasgaleriahistóriacomentárioscadastros
contato | política de privacidade | nota legal
 
Copyright © TeatroChik - Tudo sobre o teatro brasileiro